Moodle–usar atalho para ficheiro (moodle 2.3)

Anúncios

O (mal) estado da educação

Nos últimos anos mudam os governos, mudam os ministros da educação e esta fica sempre mais pobre e maltratada.

Recentemente, o actual ministro da educação, Nuno Crato, depois de já ter feito tanto mal, pois nunca houve um ano lectivo com mais medidas negativas do que este, apareceu na TV a justificar a diminuição dos professores contratados e a enorme quantidade de horários zero que criou, com a diminuição de alunos no sistema educativo, apresentando um valor estafúrdio de 200 mil alunos a menos. Quem trabalha na educação sabe que este número não corresponde à verdade, mas apesar disso muitas pessoas e jornalistas (que prestam um mau serviço ao repetirem números que os políticos apresentam mas sem fazerem uma análise crítica mínima) logo trataram de repetir até à exaustão, alinhando na justificação dada pelo ministro.

Mas como a verdade vem sempre ao de cima, agora o MEC teve de reconhecer que o número não era verdadeiro, pois resultou das reduções, criadas pelo próprio MEC, nas turmas das Novas Oportunidades e não no ensino regular.

Redução de alunos à custa de adultos

Realmente, é só conversa da treta…

 

Cada vez mais cansado de conversa de chacha.

Como esta:

“O estudo sobre o desfasamento etário dos alunos que frequentam o ensino básico e secundário relativamente à idade ideal dos ciclos e níveis respetivos revela que o sistema continua a não estar preparado para responder às necessidades da população que acolhe, utilizando muitas vezes a repetência como meio de superação de dificuldades. Raramente esta solução resolve os problemas dos jovens implicados, pelo que uma primeira retenção é frequentemente geradora de outras e consequentemente de desmotivação e abandono”, avisa o CNE, queapela para uma “mudança profunda na atitude dos professores e das escolas face ao insucesso dos seus alunos”.

O problema são os professores que devem mudar de atitude. Os alunos nem por isso. Podem continuar a trabalhar para o seu insucesso que a responsabilidade nunca é deles.

Fonte: http://educar.wordpress.com/

Emigra Tu!

Caro PM, faça o favor de calar-se ou então, caso não o consiga, deixe a conversa de merd@ apenas para o relvas, os secretários de estado ou os duques que nomeia para grupos de trabalho?

Temos mais ou menos a mesma idade, certamente que aceitará a familiaridade de lhe dizer que entre o seu trajecto e o de muitos professores com a nossa idade, a principal diferença foi a jotice, o agachanço ao padrinho ângelo e o ter aceite abdicar das suas convicções que um dia afirmou serem sociais.

Entre um professor com médio desempenho e um PM desorientado, não há dúvidas quanto a quem escolher. Se não consegue fazer mais do que um qualquer governante do Estado Novo que, perante a incapacidade para gerar riqueza e desenvolvimento, estimula a população (neste caso até qualificada) a emigrar, então é porque está a ocupar o cargo errado e, no seu caso sim, está a mais entre nós.

Fonte: http://educar.wordpress.com/2011/12/18/emigra-tu/